Saiba quais são os custos do financiamento imobiliário. Veja aqui como reduzi-los!

Como diz o velho ditado: “quem casa, quer casa”. Porém, o sonho de comprar um imóvel pode virar um pesadelo rapidamente, e as dívidas podem atormentar você por um bom tempo. Afinal, não basta apenas escolher um bom imóvel, é preciso estar atento ao custo de documentação de imóvel, juntamente com os que envolvem o financiamento imobiliário.

São muitas as taxas e encargos para obter uma casa própria, e muitas coisas não são ditas por quem está vendendo, o que pode surpreender o comprador na hora de fechar o negócio. O ideal é se planejar e evitar situações desagradáveis nessa etapa tão importante que representa o início de uma vida nova.

Para não ser pego de surpresa nem ficar à mercê das imprevisibilidades financeiras que podem ocorrer a longo prazo, é importante certificar-se de que está sabendo tudo o que precisa para fechar um bom negócio, sem mistérios ou dúvidas.

Neste post, vamos mostrar para você quais são os principais custos envolvidos no financiamento imobiliário e as alternativas para fazer uma redução desses valores. Ficou interessado? Então, continue acompanhando a leitura e confira!

Quais são os custos envolvidos no financiamento imobiliário?
Muitos não sabem, mas financiar um imóvel envolve uma grande quantidade de encargos e custos extras que muitas vezes não são analisados pelo comprador. É essencial conhecer todos os valores para garantir um bom planejamento na hora de adquirir a sua casa própria sem precisar enfrentar maiores surpresas.

Além do valor a ser pago durante anos com o financiamento, existem diversos outros custos que envolvem o processo de compra de um imóvel. Entre eles, há o custo de documentação de imóvel. Veja a lista que reunimos com as principais despesas relativas ao financiamento imobiliário.

Taxa de vistoria do imóvel
Um dos documentos exigidos pelo banco na hora de realizar a análise da sua proposta de financiamento imobiliário é uma vistoria do imóvel. Isso pode ser realizado tanto por uma consultoria imobiliária ou por um profissional capacitado e indicado pela instituição financeira.

Esse processo é fundamental para evitar fraudes, como a tentativa de obter um valor maior em relação ao preço médio de mercado do imóvel. O pagamento é realizado para o banco, e a taxa fica em torno de R$2.500,00, a serem desembolsados pelo comprador: um valor considerável e que pode impactar os planejamentos financeiros que você realizou!

Taxa de seguros
O financiamento imobiliário realizado junto ao Sistema Financeiro de Habitação (SFH) exige a contratação de dois seguros obrigatórios. O primeiro é o de Danos Físicos do Imóvel (DFI) e o segundo é o de Morte e Invalidez Permanente (MIP). Os dois deverão ser pagos juntamente com as parcelas do financiamento.

O custo geral dos dois seguros fica em torno de 3% a 5% do valor total de cada uma das prestações. Esses números podem não parecer muito à primeira vista, mas ao visualizar a longo prazo, em uma operação que poderá durar 240 meses, o valor acumulado chega a ser assustador.

Mas calma, é preciso que você saiba também que não é obrigatório contratar o seguro da instituição bancária que está realizando o seu financiamento imobiliário. Você pode muito bem escolher outra empresa de seguros com taxas mais baratas para realizar uma negociação que seja mais agradável!

Registro do imóvel
O registro do imóvel é outro documento obrigatório para quem deseja financiar o bem. Esse papel tem a função de atestar a existência da propriedade no livro de registros da comarca na qual ela se localiza. É por meio dela que os direitos do comprador serão garantidos.

Os valores variam muito de estado para estado e dependem também do valor total da transação. Para se ter uma ideia, em uma média, as taxas giram em torno de 1%. Ao efetuar o registro, é disponibilizada uma matrícula única para a propriedade e será registrado um histórico relativo a qualquer ocorrência que possa envolver a propriedade.

Escritura
A escritura é o documento que transfere a validade jurídica da propriedade de um bem imóvel de seu vendedor ao novo dono, que é o comprador, sendo que, a partir de sua lavratura, quem responde pela propriedade é a pessoa que está comprando.

A taxa para emissão da escritura de um imóvel vai variar de acordo com o tabelionato responsável. Cada um conta com tabelas de preços que geralmente são baseados nos valores da transação. A sua lavratura é obrigatória para compras à vista.

No caso de um financiamento imobiliário, o contrato com o banco é entendido como uma escritura temporária. No entanto, ao final dos pagamentos, é preciso lavrar a escritura definitiva. Portanto, é bom lembrar de guardar algum dinheiro para arcar com essa despesa.

ITBI
O Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) é um dos custos mais conhecidos e representa o tributo municipal. O seu valor varia de acordo com a cidade onde está localizada a propriedade. Em São Paulo, por exemplo, a taxa de ITBI é de 3% sobre o valor total da transação.

No caso de um imóvel vendido por R$180.000,00 reais, por exemplo, o tributo chegaria a R$ 5.400,00. Ou seja, um valor bem salgado quando juntamos a todos os outros custos do financiamento. Por isso, é importante colocar todos esses valores que citamos no papel, para termos uma noção do custo geral do financiamento imobiliário prestes a ser feito.

Contratação de serviços vinculados
Uma prática comum dos bancos é oferecer uma grande gama de serviços para realizar a aprovação de um financiamento imobiliário ou até mesmo trocar tais aquisições por juros menores ou taxas mais baixas.

É preciso estar atento: muitas vezes, essas ofertas podem esconder valores que vão encarecer ainda mais o sonho da casa própria no longo prazo e vão impedir você de utilizar os serviços extras. Por isso, é preciso analisar bem os custos envolvidos nessa transação.

Juros
Sem dúvida alguma, o principal custo de um financiamento imobiliário refere-se aos juros. Existem diversas instituições bancárias, e cada uma delas oferece taxas diferenciadas com condições únicas.

É preciso estudar todas as alternativas para que você não entre em uma dívida que seja difícil de sair, tornando o sonho da conquista do imóvel um verdadeiro pesadelo. Analise quais são as taxas de juros de cada instituição bancária e compare-as para descobrir quais oferecem as melhores vantagens.

Reiteramos aqui que os juros são o terror dos financiamentos imobiliários — podem representar até metade do valor total do imóvel que você está adquirindo. Ou seja, é muita coisa!

Mudança e pequenos reparos no imóvel
Outros custos que normalmente não são considerados na hora de financiar uma propriedade são os gastos com a mudança de um imóvel: transferir todos os móveis, artigos e objetos de um imóvel para outro pode ser bem caro e dispendioso.

Por isso, sugerimos que você coloque o quanto antes no seu planejamento financeiro todas as despesas relativas ao processo de mudança. Compare os preços, faça uma pesquisa de mercado e encontre as opções que sejam mais agradáveis para o seu bolso.

Além dos gastos com a mudança, também há a necessidade, quase sempre recorrente, de realizar alguns pequenos reparos no imóvel para que ele possa receber o seu novo dono. Afinal, nem sempre o imóvel já está totalmente pronto para ser utilizado e, às vezes, requer algumas reformas, ajustes e consertos.

Antes de iniciar o financiamento imobiliário, avalie todos os custos relacionados à reforma e reparos no imóvel que está adquirindo. Assim, não será pego de surpresa e poderá planejar a sua vida financeira de forma adequada.

CET do financiamento imobiliário
O Custo Efetivo Total (CET) do financiamento imobiliário também deve ser levado em consideração na hora de você se planejar financeiramente para realizar o financiamento de um imóvel.

Estamos falando de todas as taxas e despesas embutidas nas parcelas que você pagará todos os meses. Elas incluem: os juros, as taxas de administração, a taxa de amortização e a taxa de seguro.

Cada instituição financeira terá um CET diferente, portanto, é imprescindível realizar uma análise comparativa para se certificar de que você está escolhendo a solução mais vantajosa para o seu bolso.

Taxas das certidões emitidas em cartório
No momento de solicitar o crédito para obter o financiamento, será preciso apresentar algumas certidões negativas que também têm um custo de solicitação. Segue abaixo a descrição de algumas delas:

ações cíveis e ações na Justiça Federal, que podem ser obtidas no Fórum da Justiça Eleitoral;
ações nas Fazendas Municipal e Estadual, que podem ser obtidas nas Secretarias de Fazenda do município ou do estado;
dívidas e contribuições federais, que é fornecida pela Receita Federal;
tutela, interdição ou curatela, que são obtidas junto ao Cartório de Registro Civil;
É possível também que seja exigida a certidão negativa referente à propriedade do imóvel. Esta é exigida no caso de programas específicos ou do uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e pode ser obtida junto ao Cartório de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos.

Taxa de corretagem
Uma das taxas de que poucos se lembram é a de corretagem, que corresponde aos honorários do corretor de imóveis que auxiliou aquela transação. O CRECI (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) determina que essa taxa seja de 5% a 8% do valor da venda.

Por isso, é preciso entender se esse valor já estará embutido no valor total do imóvel ou se será preciso pagar a mais.

Taxa de administração do financiamento
Outro custo que é pouco conhecido é a taxa de administração do financiamento, que deverá ser paga à  instituição financeira que estiver concedendo e executando esse processo.

Saiba que essa é uma taxa legal e deve ser incluída nos custos. Afinal, ela corresponde ao valor do serviço da instituição financeira que concederá essa facilidade para o interessado em comprar o imóvel.

Custos com seguro
Além de todo o custo com documentação do imóvel, é preciso saber que o financiamento também exigirá despesas relacionadas a seguros. A realidade de hoje é que todo financiamento que é feito de forma legal exige o pagamento de 2 seguros:

o MIP (Morte e invalidez Permanente);
O DFI (Danos Físicos do Imóvel).
O custo com esses seguros varia entre 3% e 5% e já estarão incluídos na parcela do financiamento imobiliário.

Quais são as alternativas para reduzir os custos do financiamento imobiliário?
É possível que você tenha se assustado com o número de custos embutidos na compra de um imóvel financiado. Mas não se preocupe, isso não é motivo para desistir do financiamento, pois existe também uma série de alternativas para gastar menos ao comprar a casa própria.

Depois de analisar todas as suas alternativas e realizar uma comparação inteligente entre as opções disponíveis no mercado, é hora de executar algumas ações para reduzir o custo geral de seu financiamento imobiliário, principalmente o custo de documentação de imóvel. Acompanhe a leitura e veja como fazer isso!

Busque a portabilidade de crédito
Alguns bancos podem ter taxas melhores e mais atrativas após você já ter contratado o financiamento em outra instituição. Caso você venha a descobrir que é o seu caso, fique tranquilo, pois já é possível realizar a portabilidade de crédito.

Com ela, você leva a sua dívida para outra instituição, realizando uma espécie de quitação instantânea da transação atual. Dessa forma, cria-se uma nova dívida no outro banco, com as taxas e juros que ele oferece. Simples, não?

Sendo assim, você criará uma realidade em que vai pagar menos encargos, tornando o financiamento mais atrativo. É preciso conferir o Custo Efetivo Total da outra instituição para verificar se a operação será mesmo vantajosa.

Contrate seguros mais baratos
Já sabemos que os seguros são obrigatórios para um financiamento de imóvel, certo? O que trazemos de novo aqui é que não há a necessidade de realizá-los junto ao banco em que você contratou o serviço.

Esse é um conhecimento fundamental que você deve ter para não acabar pagando caro demais por determinado seguro. Se você não sabia, a nossa sugestão é que preste atenção a isso a partir de agora.

Assim, é possível buscar por alternativas mais baratas de seguros e garantir uma despesa inferior com essas exigências, diminuindo o valor total do seu financiamento imobiliário ao final.

Conheça os seus direitos
Você sabia que quem está financiando o primeiro imóvel tem direito a um desconto de 50% no ITBI e no Registro do Imóvel? Por lei, é possível ter acesso a essa benesse. Se levarmos em conta que o ITBI de um imóvel de R$200.000,00 pode chegar a R$6.000,00 e o seu registro a R$2.000,00, é possível economizar um bom dinheiro. Vamos falar mais sobre isso a seguir.

Imagine quantas coisas você poderia fazer com esse dinheiro que sobraria? Poderia usá-lo para financiar a mudança, a decoração do imóvel e até adiantar o pagamento de algumas parcelas do seu financiamento imobiliário.

Por isso, é preciso que você pesquise, informe-se e esteja atento às novidades do mercado. Além disso, assim que decidir começar um financiamento imobiliário, procure entender as leis que estão em vigor para não perder nenhuma boa oportunidade de negócio!

Evite empréstimos
Muitas pessoas buscam por empréstimos para realizar o pagamento de alguns dos custos extras que aparecem durante o processo de financiamento de um imóvel. Essa parece ser uma alternativa tentadora em meio a tantos gastos que começam a aparecer no processo de financiamento imobiliário, mas no fundo não é!

Definitivamente, essa não é a melhor das opções, pois você poderá acabar se afundando em uma dívida que será difícil de pagar posteriormente. Afinal, a nova casa também demandará alguns gastos e é normal que surjam imprevistos.

Por isso, a melhor alternativa é guardar dinheiro para realizar todos os pagamentos exigidos à vista. Assim, você estará evitando imprevisibilidades financeiras e estará mais tranquilo no futuro.

Coloque os pagamentos do financiamento imobiliário em débito automático
O número de brasileiros endividados tem aumentado cada vez mais. Grande parte da culpa desse problema é o cartão de crédito — uma tentação e dor de cabeça para quem ainda não aprendeu a ter controle financeiro.

Por isso, uma grande dica para não acabar se endividando com o financiamento imobiliário é tentar evitar que sejam cobrados ainda mais juros sobre as suas parcelas. Então, a melhor opção é colocar os pagamentos do financiamento em débito automático para que as parcelas sejam quitadas mensalmente na data correta.

Essa é uma ótima forma de evitar que você se esqueça de realizar o pagamento das parcelas todo mês, pois ele será feito de forma automática, evitando o pagamento de juros desnecessários.

Mas não se esqueça: coloque o pagamento em uma data em que você tenha certeza de que terá o dinheiro para pagar! Junto a isso, sugerimos que você jamais parcele a sua fatura do cartão de crédito, pois os juros que incidem sobre as faturas seguintes são enormes e podem acabar tomando proporções impossíveis de controlar, atrapalhando o processo de financiamento do seu imóvel.

Realize investimentos que rendam mais que os juros do financiamento
Quando começar o processo de financiamento imobiliário, uma boa ideia é separar uma quantia em dinheiro para realizar um investimento em algo que renda mais do que os juros do financiamento.

Dessa forma, após alguns anos, você terá em mãos um bom montante que poderá ser utilizado para adiantar parcelas do seu financiamento imobiliário, quitá-lo de maneira mais rápida e reduzir os seus juros. Muito bom, não?

Entre em contato com as suas instituições bancárias e peça ajuda para decidir qual é o melhor investimento no seu atual momento. Caso prefira, você também pode entrar em contato com empresas especializadas em investimentos para entender melhor sobre o assunto e descobrir as melhores opções para o seu bolso em curto, médio e longo prazo.

Planeje-se financeiramente
O mais importante na hora de realizar o financiamento de um imóvel é pesquisar bastante sobre todos os custos, manter algum dinheiro guardado para emergências, planejar-se e ter paciência.

Imóveis bacanas e acessíveis surgem a todo momento no mercado, basta que você fique de olho. Mesmo que você se apaixone por uma propriedade, planeje-se muito bem antes de fazer uma dívida para não acabar se arrependendo depois.

Estar preparado para as imprevisibilidades financeiras do mercado é uma das principais qualidades dos grandes investidores e compradores de imóveis. Por isso, tenha sempre em mente que investimentos em longo prazo necessitam de muita atenção e planejamento!

Realize um contrato que seja o mais atrativo possível
Outra dica interessante é analisar com bastante cuidado o contrato de financiamento e todas as condições do acordo. Fazer as contas e firmá-lo de uma maneira que seja a mais atrativa possível é o que vai garantir a segurança da negociação e a satisfação das partes. Afinal, a instituição credora não deseja um cliente inadimplente.

Uma das possibilidades é firmar um contrato com o mínimo de parcelas possível. Dependendo do tipo de acordo, esse tempo reduzido pode gerar menos juros, além de trazer o compromisso de quitar essa dívida mais cedo.

Avalie as condições de cada banco e negocie as taxas
Antes de fechar o contrato, trazemos aqui mais um pedido de paciência, pois é preciso analisar todas as possibilidades e condições que cada banco oferece. Quando o comprador dispensa um trabalho nesse sentido, perde também a oportunidade de visualizar quais são as oportunidades de reduzir o preço que estarão na sua frente, principalmente de negociar melhores taxas de pagamento.

Além disso, realizar o financiamento com a mesma instituição financeira que está financiando a obra garante mais agilidade na maioria dos casos.

Verifique a possibilidade do desconto no registro do primeiro imóvel
Lembra que mencionamos possibilidade de desconto no registro do primeiro imóvel? Pois bem, se for o caso da aquisição de um primeiro imóvel, o comprador tem direito a pagar somente a metade do valor das taxas referentes ao registro da escritura no Cartório de Registro de Imóveis.

Para isso, é preciso informar o cartório desde o início do processo, pois muitos acabam não comentando sobre essa opção e oportunidade de desconto para os compradores. Então, fique atento!

Conte com a ajuda da ZIAG IMÓVEIS
Por fim, não poderíamos deixar de trazer aqui o quanto uma imobiliária pode ajudar nesse processo. Afinal, uma imobiliária de qualidade conta com corretores e especialistas em todas as áreas do financiamento para ajudar o cliente.

Ou seja, além de apresentar as possibilidades de imóveis para compra, há também todo o auxílio na preparação, análise e parte burocrática do financiamento. Então, tenha em mente que é muito melhor lidar com esse processo com a ajuda de profissionais, em vez de tentar resolver tudo sozinho.

Esperamos que este post possa ter ajudado a entender melhor quais são os principais custos de um financiamento imobiliário e o que você deve considerar para diminuí-los ao máximo e conseguir escolher o melhor imóvel para você.

É importante estar sempre atento a essas questões para conseguir economizar uma quantia que possa ser revertida em investimentos no imóvel, como decorações, reformas e outras aquisições, principalmente com o custo aquisição imóvel.

Você ainda tem dúvidas e quer saber mais sobre financiamento imobiliário? Nós sabemos que esse é um assunto complexo, cheio de variáveis e que merece muita atenção para que façamos a escolha certa.

Gostou de aprofundar um pouco mais seu conhecimento sobre custo, documentação, imóvel em financiamento e mercado imobiliário?
ZIAG. Seu sonho está aqui.
icone-whatsapp 1
redesp_facebook.pngredesp_twitter.pngredesp_youtube.pngredesp_instagram.png
A Empresa


ZIAG IMOVEIS LTDA
ZIAG. Seu sonho está aqui.
Recanto dos vinhais, São Luis-MA.
CNPJ: 25.451.252/0001-68 - Creci: J-712

Contato

 (98) 98767-8727

 Segunda a Sábado das 8 às 18hs

  Fale Conosco

www.ziag.com.br © 2020. Todos os direitos reservados.
Site para Imobiliarias
Site para Imobiliarias